4 de jun de 2014

Vale das Sombras - parte 4 e término.




 
      Eu fui várias vezes no Vale das Sombras, porque um ajuda o outro, ainda bem que encontrei voluntários amigos para qualquer necessidade. Lembro de uma vez que precisei lutar...nossa! O bicho era enorme e cuspia fogo e enxofre, tinha pesadas correntes nos punhos e era bem ágil, a sorte estava comigo, pois consegui escorregar por baixo das pernas dele e por trás o derrubei com a espada, há um detalhe não se pode matar o oponente, apenas feri-lo, porque se ocorrer uma morte seja de qual for o, lado é ferir uma lei, um acordo, e a briga fica feia, e há punição para os dois lados, então todos ficam bem atentos, eu nunca soube de algum ocorrido negativo. Uma observação, o individuo que você esta resgatando não tem a menor noção do que esta acontecendo, ele esta tão pregnado pelas trevas e ilusões que ele nem reconhece a pessoa que o retirou dali e pasmem, muitos lutam para não deixar o, lugar, estão tão embriagados pela a escuridão e engano que em muitas vezes é preciso adormece-los para retira-los deste lugar.
    As vezes você o entrega a uma equipe das cidades ( colonias) preparados para curar, limpar físico e espiritualmente a pessoa, é um trabalho árduo difícil, depois de um bom tempo a pessoa tem o direito de reencarnar para poder redimir seus erros, estas pessoas são levadas para um lugar específico e você não entra mais em contato com ele, só segue de longe e obtêm informações da evolução.
 Por isso que Jesus disse: aquele que encontra um amigo, achou um tesouro.
  É uma salvação anônima, mas vale a alegria e satisfação que sentimos após o resgate concluído e a chance de se regenerar que a pessoa resgatada ganha.


                                                                 Cris Rodrigues - Junho - 2014
                                                                              Rio de Janeiro. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário