23 de out de 2015

Os perigos dos corantes artificiais na alimentação.





Sem eles produtos industrializados não teriam as cores atrativas que conhecemos: a margarina não seria amarela, o sorvete de menta não seria verde, a gelatina não seria roxa e os refrigerantes não teriam suas famosas colorações.


Crianças na mira

As crianças são o grupo que costuma apresentar mais reações negativas aos corantes. Além disso, boa parte dos alimentos industriais destinados a crianças - como bolos, doces, bolachas recheadas, sorvetes e bebidas - trazem cores bem vivas para chamar a atenção dos pequenos, ou seja, trazem uma combinação de corantes artificiais.

Câncer sob suspeita

Em testes de laboratório com animais, diversos corantes artificiais mostraram-se carcinogênicos, ou seja, potencialmente causadores de diversos tipos de câncer, apesar de não haver comprovação científica de que aconteça o mesmo com seres humanos.

Alergias em alta

Um efeito colateral dos corantes comprovado é o surgimento de reações alérgicas, que podem surgir como alergias de pele, respiratórias ou em formas mais severas, como inchaço na língua e dificuldade de respirar. Em alguns casos, a reação alérgica pode chegar a alterar e prejudicar a pele.

Metabolismo afetado

Outra reação possível é a interferência com o processo metabólico - chegando, em alguns casos, a afetar também o neurológico. Uma ocorrência registrada é a irritação intestinal e estomacal.
Nossa dica é: leia sempre os rótulos e traga para a sua mesa mais produtos integrais(que não precisam de corantes pois são naturalmente coloridos) e menos produtos industrializados que, além dos corantes, trazem ainda conservantes, estabilizantes e uma série de outros compostos químicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário